Palestra III: "Poluição Difusa"
Quinta-feira 02 Maio 2019, 09:00 - 12:00

Faz parte do Ciclo de Palestras “Poluição hídrica na região Metropolitana de São Paulo”. 

Objetivo:  O manejo de águas pluviais prevê três objetivos, a saber: quantidade, qualidade e melhoria do ecossistema aquático. Para atingir estes objetivos é necessária a despoluição dos corpos d’água. No entanto, estudos indicam que caso todos os esgotos geridos pelas concessionárias fossem tratados mesmo assim restariam 25% de poluição, oriunda da poluição dita difusa, proveniente das águas de chuvas que carregam para as galerias de águas pluviais, e daí para os córregos, toda sorte de sujeiras provenientes dos telhados, áreas externas das edificações, lixos descartados nos logradouros públicos, terrenos e margens de corpos d’ água. Existem técnicas para tratar destas águas. A palestra abordará estudo de caso da cidade de Nova York, EUA, tendência moderna de implantação de infraestrutura verde ao lado da infraestrutura cinza.

Assuntos abordados: infiltração, impermeabilização de solo, armazenamento em tuneis, balanço hídrico, caixa de captação de óleos e graxas, canal gramado, conceito de BMP, eutrofização, filter strip (faixa de filtro gramado), filtro de areia, infraestrutura cinza, infraestrutura verde, leed e sites, pavimento modular, pavimento poroso, piscinão (reservatório de detenção seco), planejamento e uso do solo, poluição difusa (conceito), pré-tratamento, pain garden, recarga artificial, recarga artificial de aquíferos, regulador de fluxo, remoção de TSS em reservatórios de detenção estendido, reservatório de detenção estendido (ED), reservatório de infiltração, sistema unitário x sistema separador absoluto, soakaway, tecnologias emergentes, telhados verdes, teoria do first flush de Schueller, trincheira de infiltração e Wetland construída.

Justificativa: O crescimento das populações e o desenvolvimento econômico das áreas urbanas têm produzido sensíveis alterações na dinâmica das bacias hidrográficas. À medida que a cidade se urbaniza ocorrem diversos impactos, tais como: impermeabilização das superfícies; aumento das vazões máximas e consequente capacidade de escoamento dos sistemas de drenagem; aumento dos processos de erosão, escorregamentos, da produção e carreamento de sedimentos, além da deterioração da qualidade da água devido à poluição difusa.

No contexto dos sistemas de drenagem urbana, uma importante questão se refere à limpeza e desassoreamento de rios e canais, onde o carreamento de sedimentos e resíduos pela rede de drenagem acaba provocando perda de capacidade de escoamento, em função da diminuição da profundidade e da seção transversal.

A excessiva urbanização de uma bacia com características originalmente rurais altera significativamente a capacidade de absorção das águas pluviais, agravando as condições em uma bacia altamente urbanizada, como é o caso da bacia do Alto Tietê, em que, na maioria das vezes, os resíduos domiciliares acabam por serem adicionados ao fluxo do escoamento das águas.

Esses resíduos, em especial os não degradáveis, ao acompanhar o fluxo do escoamento, acabam aglutinando-se uns aos outros, transformando-se em porções maiores e mais pesadas, cuja tendência é o de decantar no fundo do leito fluvial, obstruindo parte das seções hidráulicas dos córregos com consequente diminuição da capacidade de veiculação de vazões de maior porte. Esse assoreamento, associado à erosão do solo da bacia, além da perda na capacidade de escoamento, acaba gerando um grande desafio para os municípios com o aumento na frequência de eventos de inundações.

Palestrante:  Prof. Plínio Tomaz
Graduado em Engenharia civil na EPUSP em 1966, com pós-graduação na EPUSP e na Faculdade de Saúde Pública. É professor na Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT e na Associação Brasileira de Engenharia Sanitária – ABES, coordenador da norma ABNT NBR 15527 sobre aproveitamento de água de chuva de telhado para fins não potáveis e autor de 27 livros na área da hidrologia e hidráulica (10 em papel e 17 digitais), todos disponíveis gratuitamente através do site www.pliniotomaz.com.br

É autor do primeiro livro sobre Poluição Difusa, destinado a ensinar diversos modelos para melhoria da qualidade das águas pluviais (BMP= Best Management Practices).

Público Alvo: Engenheiros, Tecnólogos, Ambientalistas, servidores municipais, estaduais, dos Legislativos (Municipais e Estaduais), do TCMSP, do TCESP, bem como demais interessados pelo tema.

Data: 02 de maio de 2019 – quinta-feira

Horário: Das 9 às 12h

Local: Auditório da Escola do Tribunal de Contas do Município de São Paulo - Av. Professor Ascendino Reis – 1130 – Vila Clementino. Inscrição gratuita

 

Fazer inscrição

 

Lista de inscritos:

AILTON RAMOS DA SILVA
ALESSANDRO PIANTINO VITIRITTI
ALINY ZIVIANI VEIGA
AMANDA SOLDANI
AMÂNDIO MARTINS
ANA ALCALDE
ANDREIA DOS SANTOS PEREIRA
BARBARA HOLLO DE ANDRADE
BRUNO NEVES OLIVEIRA
CARLA PRISCILA SOARES DE MIRANDA
CAROLINE DA SILVA NEVES
CELSO MONTEIRO LIMA
CLEYTON SILVA CARDOSO
CRISTIANO DE LIMA
CYNTHIA GUIMARÃES BIANCHI
DANIEL MANABE PASETTI
DENER GHENOV COSTA
DIEGO FERNANDEZ ROSSI
EDMILSON GERALDO MARIANO
ELAINE BERNARDES DE PAULA RIBEIRO
FRANSUELDO P. SILVA (FRANS)
GILSON PIQUERAS GARCIA
GIOVANNA POTENZA DA SILVA
GISELA COELHO NASCIMENTO
GUILHERME DALDA AMORIM
HILTON BARBOSA DA SILVA
JAQUELINE APARECIDA CARDOSO KORNER
JOSÉ FREDERICO MEIER NETO
LUCIANA APARECIDA SOARES VICENTE
Luís Fernando de Freitas Rosa
LUIZ CLAUDIO MLAKER
MARCIA A A MURAI
MATHEUS PAIVA BRASIL
NATANAEL JOSE DE SOUSA
RINALDO DONIZETI TEIXEIRA
ROBERTINA SANTOS PEREIRA
ROBERTO DE SOUZA VILAS BOAS
Sílvio Luiz Giudice
SOLANGE CAMPOS
Tácio da Costa Sampaio
WALDIR MACHO LA RUBBIA
YELMO ZENKO JUNIOR

Voltar

Facebook


Twitter

 

Youtube