Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

O século XX foi marcado pelos golpes militares na América Latina. Isso se deve ao fato que durante a Guerra Fria, a América Latina foi alvo de disputa de influência entre os EUA e a União Soviética. Isso começou a mudar em meados dos anos 80, quando a democracia instalou-se nos países do subcontinente. Abaixo há um breve resumo dos golpes militares de 1959 até 1980:


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

“Os serviços de inteligência dos Estados Unidos proporcionaram treinamento, material de apoio, informações e sistema de comunicações aos agentes da Operação Condor e disseminaram inteligência sobre sequestros e torturas, que eles executavam” (Bandeira, 369). 


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

Nunca é demais dizer que o contexto da guerra fria teve em alguma medida consequências para todos os países do globo. Em maior ou menor grau durante o período em que Estados Unidos em União Soviética disputavam a conquista de regiões de influência houve interferências sobre outros os governos. Não foram poucos os conflitos armados onde ambos estiveram direta ou indiretamente envolvidos.


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

*Danilo André Fuster

A legislação do período dos governos militares é extensa, pois muitas vezes as normas legais eram criadas para atender a uma necessidade específica. Esta atitude foi muito comum na legislação eleitoral, quando muito se utilizou o termo “casuísmo” para significar a criação de regras que desfavorecessem as oposições nas urnas. Esta legislação pode ser dividida nas seguintes categorias:


Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

*Luis Eduardo Morimatsu Lourenço

A série de pequenos artigos, dividida em três partes, pretende expor - de forma breve e não exaustiva - algumas reflexões do húngaro Peter Szondi, reconhecido Filólogo, Esteta e Professor de Literatura Comparada da Universidade Livre de Berlim. Sua celebrada obra “A Teoria do Drama Moderno”, escrita em 1956, é presença certa entre os cânones da Teoria Teatral e Literária, constituindo-se como marco no desenvolvimento da crítica alemã historicamente orientada do pós-segunda grande guerra. As seguintes palavras, consequentemente, orbitarão justamente em torno desta obra.


Página 8 de 35

Facebook


Twitter

 

Youtube